Barreira Hematoencefálica

O que é a Barreira Hematoencefálica?

A BHE (Barreira Hematoencefálica) é uma estrutura histológica e funcional que protege o SNC (Sistema Nervoso Central). Ela é composta por células endoteliais que revestem o sistema vascular e cerebral e desempenha um papel essencial para a manutenção da hemóstase de neurônios e células gliais, bloqueando o acesso de substâncias tóxicas endógenas ou exógenas.

A impermeabilidade da BHE é o resultado de uma série de características únicas, que acrescenta dificuldades às moléculas que tentam penetrar a barreira. Esta propriedade é baseada na existência de permeabilidade restrita do endotélio, além da presença em grandes quantidades de enzimas degradantes no interior do endotélio de modo que, com exceção da água, os gases como oxigênio, dióxido de carbono e determinadas moléculas lipossolúveis muito pequenas passam de forma íntegra.

Além das funções de permeabilidade seletiva, a Barreira Hematoencefálica possui aspectos importantes nas funções neuroimunes, incluindo a secreção de citocinas, prostaglandinas e óxido nítrico, ou seja, a BHE pode receber o estímulo de um comportamento e, simultaneamente, responder com secreções para outros, sendo esta função protagonista na resposta neuroimune.

A BHE consiste amplamente de dois compartimentos: o plexo coroide e a rede capilar do SNC.

O plexo coroide serve como uma barreira sangue líquor -, por meio de uma estrutura especializada de revestimento celular ependimário do plexo. Já as células endoteliais dos capilares cerebrais assentam na membrana, que é rodeada por pés astrocitários. Estas células endoteliais, tais como os plexos coroides, estão estreitamente unidas por tight junctions (junções apertadas) e possuem os mesmos sistemas de transporte de metabolitos e alguns íons.

O cérebro não é impermeável a todos os componentes com origem no sangue. A BHE é semipermeável, isto é, permite que somente algumas substâncias a atravessem e outas não. Desta forma, existem macromoléculas na circulação sanguínea que podem ultrapassar a Barreira Hematoencefálica.

Substâncias como o álcool, nicotina, cafeína, atravessam a BHE e são prejudiciais para o funcionamento do SNC. Já a maioria dos medicamentos não ultrapassa esta barreira. Isto constitui no desafio de tratar as doenças do sistema nervoso central.

Referências

http://olharocerebro.com/index.php/2016/01/18/barreira-hemato-encefalica/

http://www.guiasdeneuro.com/barrera-hematoencefalica/?lang=pt

http://www.scielo.br/pdf/rbti/v23n2/a16v23n2.pdf

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedIn
WhatsApp Fale pelo WhatsApp