Liquor na investigação de síndromes demenciais

Liquor na investigação de síndromes demenciais

O exame de liquor (LCR) é uma arma diagnóstica utilizada desde o final do século XIX para diagnosticar patologias neurológicas. A análise do LCR também permite o estadiamento e o seguimento de processos vasculares, infecciosos, inflamatórios e neoplásicos que podem acometer de forma direta ou indireta o Sistema Nervoso. A síndrome demencial é um distúrbio caracterizado pela deterioração da função cognitiva que afeta a memória e áreas como linguagem, pensamento, movimentos coordenados, reconhecimento e percepção, organização e realização de tarefas.

Qual é o papel do liquor na investigação das síndromes demenciais?

O exame de liquor faz parte da propedêutica na investigação das síndromes cognitivas atípicas, quando ocorre há suspeita de quadro infeccioso ou inflamatório. No caso da Doença de Alzheimer (DA), ocorre modificações detectáveis, que auxiliam na confirmação do seu diagnóstico.
A dosagem da proteína TAU, tem um aumento significativo na DA, quando comparada com controles e outras síndromes demenciais. Já a dosagem de proteína Beta-amiloide (Aβ42), é reduzida quando comparada com os níveis de controle. A análise associada dessas proteínas, traz uma boa sensibilidade e especificidade no diagnóstico de Alzheimer. Porém, a sua confirmação é baseada no diagnóstico clínico e não patológico, o que altera a precisão desses métodos.

Estudos confirmaram o valor dessas proteínas como marcadores de quadros pré-clínicos da DA, o que permite diferenciar os indivíduos com declínios cognitivos leves, que irão evoluir para o Alzheimer.
O liquor contribui para o diagnóstico de síndromes demenciais atípicas e de rápida evolução, o que provavelmente tenha algum valor nos quadros demenciais típicos ou em estágios pré-clínicos das demências.

Referências
http://www.fleury.com.br/medicos/educacao-medica/manuais/manual-de-neurodiagnosticos/pages/liquido-cefalorraquidiano.aspx
http://www.fleury.com.br/medicos/educacao-medica/artigos/Pages/o-papel-do-lcr-na-investigacao-das-sindromes-de-menciais.aspx

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedIn
WhatsApp Fale pelo WhatsApp